Criança de 5 anos sofre queimaduras no rosto e família denuncia irmã de 14 anos por lesão corporal em Manaus

AMAZONAS POLÍCIA

Tia denuncia que mãe tentou esconder lesões em criança para não envolver polícia. Irmã é suspeita de passar perfume na vítima antes de atear fogo.

Uma criança de cinco anos sofreu queimaduras na região do rosto, na última sexta-feira (31), em Manaus. O caso é investigado pela Delegacia Especializada em Apuração de Atos Infracionais (DEAAI) como crime de lesão corporal, já que uma tia denunciou à polícia que a irmã da criança, uma jovem de 14 anos, é suspeita de ter ateado fogo propositalmente na vítima.

A irmã mais velha da vítima, uma mulher de 23 anos, foi quem socorreu a irmã e registrou a denúncia. Inicialmente, ela foi até a Delegacia Especializada em Proteção a Criança e ao Adolescente (Depca), no entanto, foi orientada a registrar o caso na DEAAI por conta do envolvimento de uma adolescente como autora de um crime.

Segundo registro, a mulher foi até a delegacia e informou que a criança havia sido lesionada com fogo por outra irmã, de 14 anos. O caso aconteceu dentro da casa onde elas moram, no beco Samambaia, bairro da Paz, Zona Centro-Oeste da capital, no dia 31 de julho.

Na ocasião, a denúncia relata que a suspeita passou perfume no rosto da vítima e, em seguida, com o uso de um isqueiro, ateou fogo na menina. A tia materna da vítima, Silvana Freitas, de 35 anos, denunciou o caso. Ela disse que só soube do ocorrido na segunda-feira (3), pois recebeu a ligação da sobrinha mais velha.

“Minha sobrinha ligou, contou que a irmã tinha ateado fogo na caçula e a própria mãe escondeu a criança para não levar ao hospital, levantar suspeita e virar um caso de polícia. Mesmo assim, a irmã mais velha tentou denunciar no dia que aconteceu, mas somente na segunda-feira conseguiu registrar o caso”, disse.

Conforme a tia materna, as meninas [vítima e suspeita] são filhas de pais diferentes e a adolescente sempre demonstrou não ter afeto pela menina. “Ela não gosta da irmã [vítima], nem da sobrinha. Relata que não gosta de criança. Então, esse deve sim ter sido o motivo para ter ateado fogo na menina”, afirmou.

A tia contou que, após o ocorrido, a família não tem notícia da criança pois a mãe da vítima se nega a receber visitas. “O que me revolta, é a própria mãe não ter socorrido, de imediato, a menina. Ela é um tipo de pessoa que ingere bebida alcoólica e deixa a filha sob cuidado de outra menor. Por isso, procurei a imprensa para divulgar que esse caso não fique impune. O meu objetivo, como família, é pedir Justiça por uma criança”, contou.

 Na delegacia, durante o registro da denúncia, a suspeita alegou que foi um acidente. No entanto, segundo a tia materna, a criança contou para o delegado “que não tinha sido um acidente”.

De acordo com a polícia, uma audiência ficou marcada entre as pessoas envolvida no caso para o dia 28 de agosto. Um exame de corpo de delito foi solicitado para a vítima. Em nota, a Polícia Civil informou que mais detalhes sobre os procedimentos investigativos não poderão ser repassados, no momento, para não atrapalhar o andamento dos trabalhos.

Related posts

Leave a Comment